3 Razões para Coaches Falharem no Começo da Carreira

Em momentos de frustração muitos profissionais anseiam pela independência e renda que podem obter de um negócio de coaching.

De fato, a profissão pode ser lucrativa. Mas a realidade para a maioria dos coaches é muito diferente. A International Coach Federation estima que, globalmente, a renda média anual dos treinadores seja relativamente modesta em 51 mil dólares.

Por que a maioria dos coaches está faturando muito abaixo deste valor?

Na última década, essa questão foi estudada extensivamente, tanto no decorrer da construção de um próprio negócio de consultoria e coaching de sete dígitos, como no trabalho em assessorar prestadores de serviços profissionais.

Eu identifiquei três razões comuns pelas quais os coaches iniciantes falham.

Ao tomar conhecimento dessas armadilhas – e tomar medidas para evitá-las – você pode garantir que está bem à frente da concorrência e está criando uma base sólida para o seu negócio.

 

1. Relutância em fazer atividades mal remuneradas (ou de graça) para a construção de marca

Desde o início, todo novo coach ou consultor deve se separar da multidão – e é uma multidão, com mais de 53.000 treinadores em todo o mundo e uma taxa de crescimento de 7 a 10% de novos aspirantes por ano. A melhor maneira é reunir o máximo de provas sociais (isto é, formas de credibilidade reconhecidas externamente).

No entanto, muitos novos praticantes, que podem estar acostumados com os salários corporativos de alto nível que deixaram para trás, costumam relutar em fazer o trabalho de construção de marca, gratuito ou a preço baixo, necessário nos primeiros dias.

Um dos meus clientes particulares de coaching zombou do honorário de R$ 500 que a ele foi oferecido para uma palestra e estava pensando em recusar, É apropriado recusar a maioria dos trabalhos gratuitos ou com baixos salários – mas nos primeiros dias da sua empresa, se isso lhe der credibilidade significativa à marca, poderá valer a pena.

 

2. Relutância em procurar contatos anteriores

Para qualquer novo coach ou consultor (que não é uma celebridade), há apenas uma maneira de conquistar clientes antigos: sua rede existente. Os mais exigentes, compreensivelmente, hesitarão em confiar seus desafios profissionais a alguém sem histórico.

Mas os contatos que o conheceram anteriormente, em uma capacidade profissional diferente, geralmente estão dispostos a se arriscar, porque entendem que seus talentos se traduzirão em um novo domínio. E, no entanto, muitos novos coaches e consultores – temendo rejeição ou se sentindo vulneráveis em “pedir negócios” – hesitam em chegar às pessoas com maior probabilidade de se tornarem clientes. Em vez disso, eles mantêm a esperança mágica de que novos contatos de repente surgirão em um passe de mágica.

Por exemplo, você pode enviar uma mensagem curta dizendo olá e perguntando sobre eles, e depois acrescentar: “Estou empolgado por ter iniciado recentemente um novo coaching / consultoria empresarial [insira seu cliente ideal ou o nicho que você explora].

Caso você conheça alguém que possa ser adequado para isso, estou sempre à procura de ótimos clientes para trabalhar. ”Você não os coloca como um público-alvo ou exige referências deles, mas está deixando claro que é bem-vindo para orçamentos, se acharem apropriado. É um passo pequeno, mas importante, que muitos novos coaches ou consultores hesitam em dar.

 

3. Focar nos seus interesses e não nas necessidades do cliente

É o princípio mais básico do empreendedorismo: você só pode vender com sucesso o que seu cliente deseja comprar. E, no entanto, muitos profissionais que desejavam iniciar sua própria prática de coaching ou consultoria passaram a vê-lo como seu veículo de expressão criativa e não como um negócio. Uma coach iniciante com quem trabalhei estava frustrada porque estava tendo problemas para conseguir clientes corporativos.

Ela tinha um currículo impecável, com empregos de alto nível e experiência global. Mas a razão de suas dificuldades logo se tornou clara: seu site de coaching focado inteiramente em seu interesse pela espiritualidade. Muitas pessoas podem valorizar um coach com inclinação espiritual, mas essas mensagens não se encaixam em suas habilidades e credibilidade pré-existentes, e na verdade dificultam a contratação de clientes corporativos porque ela não destacou nenhum exito comercial. Mesmo quando vemos nossa prática como um reflexo de nosso eu interior, precisamos permanecer cientes do que os clientes estão dispostos a pagar.

Lançar uma prática de consultoria ou coaching é um objetivo cobiçado por muitos profissionais, e as recompensas podem ser substanciais. Se você evitar os erros mais comuns e, em vez disso, se concentrar em acumular provas sociais, procure ativamente colegas anteriores que o conhecem e confiam em seu trabalho e mantenha um foco constante nos resultados que importam para seus clientes, você poderá desenvolver um negócio próspero e causar um impacto maior.